europa4
4c360811-205c-4ade-b5cbd914ffffb8d5
fac
Movimento trabalhadores
 

Balcão de imigração

immigrazione6jpg

Cidadania italiana

Reagrupamento familiar

 

Visto e autorizações de residência

images
immagine6
immagine3

A autorização de residência permite que estrangeiros e apátridas presentes no território do Estado fiquem na Itália, nas condições e dentro dos limites estabelecidos pela legislação vigente.

Aqueles que chegam à Itália pela primeira vez têm 8 dias úteis a partir da entrada no território do Estado para solicitar uma autorização de residência, que deve ser solicitada ao Questore da província em que o estrangeiro pretende ficar, em certos casos, também através dos escritórios. correios habilitados.

A duração da autorização de residência é a prevista no visto de entrada.

A autorização de residência é emitida pela sede da polícia onde o estrangeiro mora, após verificação de sua identidade pessoal, além de conter os dados pessoais e a imagem do rosto, além das impressões digitais do proprietário. Possui características que garantem padrões de segurança mais altos em termos de reconhecimento do proprietário e falsificação do título.

O documento consiste em um cartão inteligente resistente ao desgaste (para essa finalidade, os dados impressos são protegidos por uma fina película transparente, aplicada nos dois lados durante a fase de produção) e mostra:

a identidade do proprietário;

a foto do proprietário;

o número do documento;

o tipo de documento;

a data de emissão e validade do mesmo;

e generalidade das crianças;

o código tributário;

o motivo da estadia.

É emitida uma autorização de residência eletrónica individual para o filho menor (circular relativa ao anexo para menores).

A autorização de residência eletrônica é emitida e renovada em média dentro de 60 dias a partir da data de envio do pedido.

Para obter a autorização de residência é necessário apresentar:

o formulário de inscrição;

o passaporte ou outro documento de viagem equivalente, válido com o visto de entrada relativo, se necessário;

uma fotocópia do próprio documento;

4 fotos em tamanho de passaporte, idênticas e recentes;

a documentação necessária para o tipo de autorização de residência solicitada

o pagamento de uma contribuição, conforme especificado abaixo.

O estrangeiro que exibe o recibo atestando o envio do primeiro pedido de liberação para trabalho subordinado, trabalho por conta própria ou reagrupamento familiar tem os mesmos direitos relacionados à posse da autorização de residência.

O estrangeiro que apresentar um pedido de autorização de residência com duração não inferior a um ano deve assinar um contrato de integração com o Estado italiano, com o qual se compromete a assinar objetivos específicos de integração a serem alcançados durante o período de validade do contrato. autorização de residência. Existem casos de exclusão da estipulação do contrato em questão (por exemplo, vítimas de violência, menores não acompanhados, etc.).

Na pendência da liberação da primeira autorização de residência para o trabalho, o estrangeiro pode executar temporariamente o trabalho até uma possível comunicação, pela Autoridade de Segurança Pública, da existência de razões que impedem a liberação dessa permissão. A comunicação deve ser notificada não apenas à parte interessada, mas também ao empregador

O procedimento também se aplica no caso de renovação da autorização de residência, desde que a permissão seja uma daquelas que permitem a execução do trabalho.

Período de validade. A validade da autorização de residência é a mesma do visto de entrada:

até seis meses para o trabalho sazonal e até nove meses para o trabalho sazonal nos setores que requerem essa extensão (prot. circular 47457 de 12.12.2016);

até um ano, para a participação em um curso de estudo ou treinamento profissional, obviamente documentado (circular prot. 106051 de 16.10.2018);

até dois anos para trabalho por conta própria, emprego permanente e reagrupamento familiar.

Em casos específicos, está prevista uma duração diferente (circular relativa aos trabalhadores intraempresários prot. 12722 e prot. Circular 19465 de 16.06.2017).

Os estrangeiros que vêm à Itália para visitas, negócios, turismo e estudos por períodos não superiores a três meses não devem solicitar uma autorização de residência. (declaração de presença)

A contribuição para a emissão e renovação da autorização de residência

 (consulte o procedimento para reembolso ordinário)

Por decreto do Ministério da Economia e Finanças, de acordo com o Ministério do Interior, de 5 de maio de 2017, foi determinado que a contribuição para a emissão e renovação da autorização de residência, paga pelo estrangeiro com idade superior a dezoito anos, equivalem a:

40,00 € para autorizações de residência com duração superior a três meses e inferior ou igual a um ano;

50,00 € para autorizações de residência com duração superior a um ano e inferior ou igual a dois anos;

100,00 € para a emissão da autorização de residência na UE, para residentes de longa duração e para gestores e trabalhadores qualificados que solicitam uma autorização de residência nos termos dos artigos 27, n. a) 27 quinquies, parágrafo 1, letras a) eb) e 27 sexies, parágrafo 2 do decreto legislativo de 25 de julho de 1998, n. 286 e emendas subsequentes.

O pagamento da contribuição nunca é necessário quando:

o cidadão estrangeiro regularmente presente no território nacional tenha menos de 18 anos

a autorização de residência é emitida ou renovada para asilo, para pedido de asilo, para proteção humanitária e para proteção subsidiária;

o estrangeiro ou apátrida é menor;

a entrada é para receber tratamento médico; a mesma isenção também se aplica a qualquer acompanhante;

é necessária uma duplicação, atualização ou conversão de uma autorização de residência válida.

PROCEDIMENTO PARA SOLICITAR UMA REUNIÃO DE FAMÍLIA


QUEM PODE SOLICITAR UMA UNIÃO FAMILIAR?

O estrangeiro residente na Itália, titular de um cartão de residência ou autorização de residência válida por um período não inferior a um ano, emitido pelos seguintes motivos:

trabalho subordinado;

trabalho por conta própria;

asilo político

estudos;

Motivos religiosos;

razões familiares.

O QUE VOCÊ PRECISA PARA ALCANÇAR UM MEMBRO DA FAMÍLIA?


1) UM ALOJAMENTO

O requerente deve ter a disponibilidade de acomodações capazes de receber os membros da família que devem ser reunidos.

O escritório municipal competente emite o certificado de adequação da moradia ou a declaração de quantas pessoas podem morar no alojamento e que a casa atende aos requisitos de higiene e saúde.


2) UM RENDIMENTO

O requerente deve ter a disponibilidade de um rendimento anual mínimo proveniente de fontes legais "não inferior ao montante anual do subsídio social aumentado pela metade do montante do subsídio social para cada membro da família a reunir". (VEJA A MESA ABAIXO)

O cálculo não leva apenas em consideração a renda do candidato, mas "a renda anual total dos membros da família que vivem juntos", que deve ser devidamente documentada.


QUADRO EXEMPLAR DO ANO 2019


  REUNIÃO

Renda anual

 1 membro da família

8.931,00

 2 membros da família

11.908,00

 3 membros da família

14.885,00

 4 membros da família

17.862,00

 5 membros da família

20.839,00


RECONEXÃO COM CRIANÇAS MENORES DE 14 ANOS

Renda anual

 Pedido para 2/3/4/5 ... crianças menores de 14 anos

11.908,00

                                                  


 Pedido para 1 menor de 14 anos + 1 adulto

11.908,00

 Pedido para 1 menor de 14 anos + 2 adultos

14.885,00

 Pedido para 1 menor de 14 anos + 3 adultos

17.862,00

 Pedido para 1 menor de 14 anos + 4 adultos

20.839,00


 Pedido para 2/3/4/5 ... crianças menores de 14 anos + 1 adulto

14.885,00

 Pedido para 2 ou mais crianças menores de 14 anos + 2 adultos

17.862,00

 Pedido para 2 ou mais crianças com menos de 14 anos + 3 adultos

20.839,00

 Pedido para 2 ou mais crianças menores de 14 anos + 4 adultos

23.815,00


Para detentores de status de refugiado e para aqueles que gozam de proteção subsidiária, consulte o art. 29 bis do Decreto Legislativo 286/98.

A partir de 17 de agosto de 2017, o pedido de autorização para reagrupamento familiar deve ser apresentado de acordo com os métodos eletrônicos usuais pelo cidadão estrangeiro que reside regularmente na Itália, acompanhado da documentação relativa à posse dos requisitos de renda e moradia.

Os documentos a serem presentes

(http://www.prefettura.it/padova/contenuti/Ricongiungimento_familiare_documentazione_da_presendere_dal_17_agosto_2017-37831.htm) deve ser digitalizada e enviada, anexada ao pedido de autorização para o reagrupamento familiar, no sistema de envio eletrônico de pedidos (ALI): //nullaostalavoro.dlci.interno.it/Ministero/Index2), apenas para os formulários de pedido de reunificação da família Nulla Osta (SM, T e GN), haverá novas páginas para carregar os documentos necessários para apresentar essas solicitações.

Cada documento anexado deve ter um tamanho máximo de 3 MB e os formatos permitidos são: PDF, JPEG, TIF.

O operador do suporte técnico pode enviar um email ao usuário registrado, solicitando a entrega de quaisquer documentos adicionais ao suporte técnico.

Para estrangeiros com status de refugiado ou autorização de residência para proteção subsidiária, o disposto no art. 29 bis do T.U.

O novo procedimento permitirá que a autorização seja emitida dentro de 90 dias a partir da data de envio do pedido; De fato, o requerente pode ir ao Sportello Unico apenas para a entrega dos originais dos documentos e, se forem congruentes com os enviados eletronicamente e já considerados adequados pelo Instituto, será imediatamente informado da comunicação da liberação da autorização para o reagrupamento familiar.

O que acontece depois do espaço


Uma vez que a autorização para reunificação tenha sido obtida no balcão único de imigração, os membros da família, para quem a autorização foi solicitada, poderão solicitar um visto de entrada na Itália à autoridade diplomática consular italiana responsável pelo país de origem. no momento da solicitação, apresentando a certificação que comprove a relação de relacionamento, casamento, idade menor e qualquer documento de status civil necessário, devidamente traduzido e legalizado

Após a obtenção do visto de entrada, os membros da família reunidos, no prazo de oito dias após a entrada na Itália, devem solicitar uma consulta nas agências do CISI para concluir o primeiro procedimento de entrada no balcão único de imigração.


O Sportello Unico emitirá um recibo aos familiares para a coleta da autorização de residência para reagrupamento familiar na sede da polícia.


Os formulários:


Formulário S1 - Declaração atestando consentimento para hospedar o menor

Modelo S2 - Declaração que comprova o consentimento para hospedar os membros da família do requerente.

Modelo S3 - Declaração relativa à existência da relação de trabalho

Modelo S4 - Proxy Act

Autocertificação do relatório

Autocertificação de residência para coabitantes

Declaração substituta Act of Notorierà

Compromisso de seguro de saúde

afirmação
Os artigos 28 e 29 do Decreto Legislativo n. 288/98, modificado pela lei 189/02 e subsequentes alterações e acréscimos;
art.6 D.P.R. 394/99 e emendas e adições subsequentes; Decreto Legislativo n. 5/07; D.L. n. 13/17

Direitos, deveres, identidade, participação. Como se tornar cidadão italiano


O termo cidadania indica a relação entre um indivíduo e o estado, e é em particular um status, chamado civitatis, ao qual o sistema jurídico vincula a plenitude dos direitos civis e políticos. Na Itália, o conceito moderno de cidadania nasceu quando o estado unitário foi estabelecido e atualmente é regido pela lei no. 91.

A cidadania italiana é adquirida iure sanguinis, ou seja, se você nasceu ou foi adotado por cidadãos italianos. Existe a possibilidade residual de comprar iure soli, se você nasceu no território italiano de pais apátridas ou se os pais são desconhecidos ou não podem transmitir sua cidadania à criança de acordo com a lei do estado de origem.

A cidadania também pode ser solicitada por estrangeiros que residam na Itália há pelo menos dez anos e possuem alguns requisitos. Em particular, o requerente deve demonstrar que possui renda suficiente para sustentar, que não possui antecedentes criminais, que não possui motivos impeditivos para a segurança da República.

Você também pode se tornar um cidadão italiano por casamento. A cidadania por casamento é reconhecida pelo prefeito da província de residência do requerente.

É diferente falar em cidadania europeia, que não é um status adquirido. Todos os cidadãos de um país membro da UE, além da nacionalidade do país de origem, desfrutam da cidadania europeia. De acordo com o texto do Tratado de Maastricht (TUE), qualquer pessoa com a nacionalidade de um Estado-Membro é cidadão da União.

A cidadania da União Europeia envolve uma série de regras e direitos bem definidos, que podem ser agrupados em quatro categorias:

liberdade de circulação e residência em toda a União;

o direito de votar e de ser eleito nas eleições municipais e do Parlamento Europeu no Estado-Membro de residência;

Proteção pelas autoridades diplomáticas e consulares de qualquer Estado-Membro de um país terceiro em que o Estado de que a pessoa em causa tem nacionalidade não está representado;

direito de petição ao Parlamento Europeu e de recurso ao Provedor de Justiça Europeu.

A lei prevê alguns casos em que o status de cidadão italiano pode cessar.

A cidadania italiana pode ser comprada de volta, mediante solicitação.

O Decreto Legislativo 4 de outubro de 2018, n. 113, convertido em lei 1 de dezembro de 2018 n. 132 introduziu o art. 10 bis da lei 5/02/1992, n. 91 a instituição da revogação da cidadania nos casos expressamente previstos no art. 10 bis da referida lei nº. 91/1992.

Referências normativas

D.L. 4 de outubro de 2018, n. 113, convertido em lei 1 de dezembro de 2018 n. 132

Lei 15 de julho de 2009, n.94. Regulamento que contém disposições sobre intermediários financeiros

Lei 5 de fevereiro de 1992, n. 91. Novas regras de cidadania

DPR 12 de outubro de 1993, n. 572. Regulamento de execução

Decreto Presidencial de 18 de abril de 1994, n. 362 Regulamento dos procedimentos para aquisição da cidadania italiana

regolarizzazione 2020

proteção internacional

asilo político


Fluxo 2020


immagine2
immagine5
immagine1

Procedimentos de fluxo

process-online.jpg

A entrada na Itália por motivos subordinados, sazonais e por conta própria, deve ocorrer dentro das cotas de entrada estabelecidas nos decretos - os chamados 'decretos de fluxo' - que são periodicamente emitidos pelo Presidente do Conselho de Ministros com base nos critérios indicados no documento de planejamento trienal sobre políticas de imigração.

Esses procedimentos foram gerenciados eletronicamente por vários anos; portanto, será suficiente conectar-se a partir do seu computador ou tirar proveito do suporte de vários organismos ou mecenatos autorizados para realizar toda a prática.

O sistema computadorizado consiste em um site no qual o usuário deve se conectar por meio de uma conexão à Internet para preencher e enviar os aplicativos eletronicamente.

Um suporte técnico está sempre disponível, onde você pode direcionar suas perguntas ou resolver pequenos problemas que podem ocorrer com o procedimento.

Na pendência da regularização de estrangeiros irregulares:

Fase Iter: Atribuída à I Comissão de Assuntos Constitucionais

Natureza: proposta de lei comum Apresentação: Apresentado em 27 de outubro de 2017 Trabalho: Atribuído à I Comissão de Assuntos Constitucionais da Pessoa de Contato em 17 de novembro de 2017

Parecer das comissões: II Justiça (ex-artigo 73, parágrafo 1-bis do regulamento, para disposições sobre sanções), III Relações Exteriores, V Orçamento, X Orçamento, X Atividades Produtivas, XI Trabalho (ex-artigo 73, parágrafo 1-bis , do regulamento), XII Assuntos Sociais, XIV Políticas da União Europeia e da Comissão Parlamentar para Assuntos Regionais

PEDIDO DE ASILO


1. Você pode solicitar o status de refugiado se:


no seu país, você foi sujeito a perseguições diretas e pessoais por motivos de raça, religião, nacionalidade, pertencentes a determinados grupos sociais ou por suas opiniões políticas ou se fundou e comprovou motivos para acreditar que poderia ser perseguido no caso de voltar para casa (com base na Convenção de Genebra).


2. Você não pode solicitar o status de refugiado na Itália se:


 você já foi reconhecido como refugiado em outro estado;
 você vem de um estado que não pertence ao país que aderiu à Convenção de Genebra e no qual, tendo permanecido por um período significativo de tempo, não solicitou o reconhecimento do status de refugiado;
 Você foi submetido a condenações na Itália por crimes contra a personalidade ou a segurança do Estado, contra a segurança pública ou por redução da escravidão, roubo, roubo, devastação e pilhagem ou, em qualquer caso, relacionado à venda e tráfico ilegal de armas ou de estupefacientes ou, finalmente, de associações da máfia ou pertencentes a organizações terroristas;
 você cometeu crimes de guerra ou de paz ou de humanidade.


3. Onde solicitar:


 No Serviço de Polícia de Fronteiras, ao entrar na Itália ou
 ao Escritório de Imigração da Delegacia de Polícia local, onde não há Delegacia de Polícia de Fronteira no local.


4. Como solicitar:


Você pode enviar a solicitação ao Departamento de Polícia, que fornecerá os formulários já preparados onde você:
Explicar as razões pelas quais você solicita o status de refugiado;
 fornecer qualquer outra informação ou documentação em sua posse, em apoio aos motivos da solicitação.
 Você também deve anexar uma cópia de um documento de identificação pessoal válido (passaporte, bilhete de identidade, etc.), se estiver possuído, ou fornecer suas informações gerais à autoridade policial, indicando qualquer domicílio para onde as comunicações de interesse possam ser enviadas.
A sede da polícia emitirá uma cópia da solicitação e da documentação produzida e fornecerá relatórios fotográficos.


5. Quem decide sua pergunta:

O requerimento, acompanhado da documentação necessária, será imediatamente encaminhado pela Delegacia de Polícia à Comissão Territorial competente para o Reconhecimento do Status de Refugiado, que decidirá se o status deve ser reconhecido ou não. Na Itália, são sete (Gorizia, Milão, Roma, Foggia, Siracusa, Crotone e Trapani). A data da convocação à Comissão será comunicada a você pela sede da polícia no endereço que você indicou ao enviar a solicitação.
É importante que você comunique qualquer mudança de endereço à sede da polícia para receber todas as comunicações de seu interesse. Lembre-se de que a audiência é muito importante para você explicar bem sua situação e prever bem seus medos de perseguição; portanto, se você não comparecer à reunião, a Comissão poderá decidir examinando a documentação disponível sem ouvi-lo.

6. Que decisões a comissão pode tomar:


A Comissão Territorial, no prazo de três dias após a data da audiência, adota uma das seguintes decisões:
 reconhece o status de refugiado;
 rejeita o pedido, mas, embora não reconheça os requisitos para o status de refugiado, ele pode avaliar independentemente o perigo de seu repatriamento e solicitar ao Questore que lhe emita uma autorização de residência por razões de proteção humanitária. Esse tipo de autorização de residência dura um ano, renovável e permitirá que você trabalhe;
 rejeitar a solicitação: nesse caso, o Questor o convidará a deixar o território nacional.


7. Se você não sabe italiano:


Se você não conhece o idioma italiano, pode solicitar a assistência de um intérprete ou mesmo de um mediador cultural para compilar e escrever, sempre que possível, em seu idioma ou em um dos idiomas mais conhecidos (inglês, francês, espanhol, espanhol, árabe), o modelo de informações e declarações sobre os motivos da solicitação.


8. O que acontece após a apresentação da solicitação:

Caso Em caso de verificação pela Autoridade Policial da exatidão da documentação apresentada, é emitida uma autorização de residência de três meses pelo Questore da província em que o pedido foi submetido, renovável até a decisão da Comissão Territorial. competente.
 Se você chegou à Itália sem nenhum documento que ateste sua nacionalidade e seus dados pessoais, ou se sua solicitação de reconhecimento se baseia em elementos que requerem verificação, você será hospedado, por um período máximo de 20 dias, em um identificação. Se, dentro desse período, seu pedido ainda não tiver sido decidido pela Comissão Territorial, você poderá deixar o Centro que o hospeda e receberá uma autorização de residência válida por 3 meses, renovável até que o procedimento seja definido.
Se você não tem recursos para se manter, pode solicitar à Prefeitura competente, através do Departamento de Polícia onde você enviou o pedido, que seja hospedado em estruturas municipais especiais de recepção, que lhe darão hospitalidade durante todo o período de exame de seu pedido de asilo.


9. Lembre-se de que no Centro de Identificação:


 você receberá tratamento ambulatorial e hospitalar urgente;
 você pode receber visitas de membros da família, seu advogado, ACNUR e órgãos ou organizações de proteção a refugiados reconhecidos pelo Ministério do Interior sem condições especiais;
 não há obrigação de permanecer, além do horário noturno, em qualquer caso, em conformidade com os critérios identificados pela regulamentação específica do órgão de administração do Centro. Além disso, por motivos particulares (família, saúde), você também pode solicitar a ausência por períodos prolongados, além dos prazos estabelecidos no regulamento, com a autorização do funcionário encarregado do Centro;
 a remoção prolongada, não autorizada e, em qualquer caso, não suficientemente motivada do Centro é equivalente a uma renúncia por você do pedido de reconhecimento do status de refugiado.

10. Que remédios você tem para se opor à decisão negativa:


Se você estiver hospedado em um Centro de Identificação, poderá enviar, dentro de 5 dias após a decisão negativa, uma solicitação de revisão de sua solicitação ao Presidente da Comissão Territorial, com base em elementos que ocorreram em comparação à decisão da Comissão ou em fatos preexistentes que não surgiram durante o primeira audição. O seu pedido de revisão será decidido no prazo de 15 dias.

De qualquer forma, você pode apresentar um recurso ao tribunal ordinário com jurisdição sobre o território dentro de 15 dias após a notificação da decisão da Comissão (se você não estiver na Itália, poderá fazê-lo por meio de representação diplomática).


Em ambos os casos, você pode solicitar ao prefeito da província em que está domiciliado que se autorize a permanecer no território nacional até a data da decisão da apelação. A decisão do prefeito será comunicada a você dentro de 5 dias após a solicitação e, em caso de aceitação, também comunicará a maneira de sua estadia na Itália.


11. O que acontece em caso de reconhecimento:

 A Comissão o reconhecerá como status de refugiado e emitirá um cartão certificando que seu status foi reconhecido.
 Juntamente com o cartão, a Sede da Polícia competente também fornecerá um documento pessoal que permitirá, se você desejar, viajar para o exterior e retornar à Itália (com uma validade de tempo igual à da autorização de residência).
 Para obter documentos de identidade, você deve entrar em contato com o município onde estabeleceu sua residência.
 Você receberá uma autorização de residência de dois anos.
 Você terá todos os direitos e estará sujeito aos mesmos deveres que os cidadãos italianos, com exclusão dos que pressupõem a cidadania italiana (por exemplo, direito de voto, participação em competições por acesso ao emprego público, etc.).
 Se, para exercer um direito na Itália, você deve obter certos documentos ou certificados do seu país de origem, as autoridades italianas se esforçam para garantir que elas lhe sejam fornecidas ou as substituem por suas próprias ações, que substituirão as do seu país.
 Sob nenhuma circunstância você pode retornar ao seu país de origem. Essa circunstância, de fato, pode determinar a cessação do seu reconhecimento, como uma manifestação da vontade de retornar para aproveitar a proteção do seu país de origem. Da mesma forma, qualquer pedido de passaporte nas missões diplomáticas na Itália do seu país será interpretado como o desejo de aproveitar a proteção do seu estado.
 O documento pessoal que a sede da polícia fornecerá permitirá que você viaje ao exterior por um período não superior a três meses, sem a necessidade de visto. Se, no entanto, você precisar se estabelecer no exterior por períodos mais longos, por exemplo, por motivos de trabalho, precisará solicitar um visto para a representação diplomática do país para onde deseja ir e, em seguida, iniciar no novo estado que o hospedará, o procedimento de "transferência de responsabilidade".

estrangeiros residentes na Itália e obrigações de pensão alimentícia

reconhecimento das sentenças de separação e divórcio de cidadãos estrangeiros na Itália

o casamento de estrangeiros na Itália

images
images
images

A) Se você deseja se casar em um consulado italiano (casos previstos no art.12 do Decreto Legislativo 71/2011)

O pedido para celebrar o casamento consular

Se você deseja se casar em um consulado italiano, a primeira coisa a fazer é o chamado "pedido para celebrar o casamento consular". É um documento que você deve assinar e apresentar pessoalmente ao escritório consular ou enviar por correio, fax ou e-mail com uma fotocópia dos seus documentos de identidade em anexo.Para obter mais informações, consulte a lista de todas as representações consular no exterior.

Há casos em que sua solicitação pode ser recusada (Decreto Legislativo 71/2011 - a celebração do casamento consular pode ser recusada quando as leis locais se opuserem ou quando as partes não residirem no círculo eleitoral). Se, pelo contrário, o escritório consular aceitar sua solicitação (conforme os requisitos da lei), você poderá prosseguir com a solicitação de publicações.

Publicações

Na Itália, a celebração do casamento deve ser precedida de publicações feitas por um registrador, com validade de seis meses. Portanto, você pode se casar a partir do 4º dia e no 180º dia após a publicação.Se não puder se apresentar para solicitar publicações, ainda poderá nomear uma terceira pessoa usando uma procuração especial, elaborada em papel comum e equipada com uma cópia do seu documentos de identidade que, obviamente, devem ser válidos. Se você não é cidadão da União Europeia e não é residente na Itália, sua assinatura deve ser autenticada.

O pedido de celebração do casamento consular

Preliminar para o pedido de publicações é o pedido de celebração do casamento consular, assinado por ambos os nubendi, que pode ser apresentado pessoalmente ao escritório consular ou enviado por correio, fax ou e-mail acompanhado de uma fotocópia dos documentos de identidade. Nos termos do Decreto Legislativo 71/2011, a celebração do casamento consular pode ser recusada quando as leis locais se opuserem ou quando as partes não residirem no distrito. Se o escritório consular aceitar a solicitação (conforme os requisitos da lei), os noivos deverão prosseguir com a solicitação de publicações.


Se você é cidadão italiano e tem residência no exterior, deve solicitar publicações de casamento junto à representação diplomática ou consular em que o casamento será celebrado. Se você reside em dois distritos consulares diferentes, as publicações devem ser feitas nas representações diplomáticas ou consulares).

Se um de vocês (italiano ou estrangeiro) tem residência na Itália, enquanto o outro (cidadão italiano) tem residência no exterior, solicite as publicações de casamento à representação diplomática ou consular onde o casamento será celebrado, o que, por sua vez, solicitará ao município de residência na Itália. As publicações serão, portanto, feitas nos dois locais de residência.

Se o nubendo italiano tem sua residência na Itália, enquanto o outro cidadão estrangeiro tem sua residência no exterior, você pode solicitar as publicações do casamento: - ao município de residência na Itália e feito lá. Nesse caso, o município emitirá a delegação (artigo 109 do código civil) para a celebração do casamento na representação diplomática ou consular no exterior; - ou na representação diplomática ou consular no exterior, que procederá conforme indicado no ponto 2.

Se você é residente na Itália, deve solicitar as publicações de casamento no Município de residência, onde serão feitas. Se você mora em dois municípios diferentes, serão feitas publicações nos dois municípios. O Município liberará a delegação nos termos do art. 109 do Código Civil para a celebração do casamento na representação diplomática ou consular.


B) Se você deseja se casar na Itália

Se você é italiano e mora no exterior e deseja se casar na Itália, deve solicitar as publicações de casamento junto à representação diplomática ou consular italiana onde está registrado. Aqui você pode encontrar a lista de todas as representações consulares no exterior. A representação consular, uma vez realizadas as publicações, delega o município italiano que você indicou para a celebração (art. 109 do código civil).

A documentação a ser enviada para solicitar publicações

Para solicitar publicações de casamento, você deve apresentar-se pessoalmente no escritório consular com um documento de identidade válido (art. 51, parágrafo 1, do Decreto Presidencial 396/2000 - solicitação de publicação).

Se você não puder se apresentar pessoalmente para solicitar publicações, ainda poderá nomear uma terceira pessoa usando uma procuração especial escrita em papel comum e equipada com uma cópia de seus documentos de identidade que, é claro, devem ser válidos.

Se você não é cidadão italiano

Se você não é um cidadão italiano e deseja se casar na Itália, deve enviar a autorização para o casamento (ex art.116 do Código Civil) devidamente legalizado e traduzido para o italiano ou a "certidão de casamento" emitida pelas autoridades competentes do país de que você é cidadão .

Se você é cidadão de um país que não pertence à União Europeia e não é residente na Itália, além da autorização, também deve apresentar a documentação restante comprovando os requisitos exigidos pelo artigo 51, sendo documentos formados no exterior e não registrados em Itália ou uma autoridade consular italiana.

Os estados que assinaram e ratificaram a Convenção de Munique de 5 de setembro de 1980 e que emitem a "certidão de casamento" são os seguintes: Áustria, Itália, Alemanha, Grécia, Luxemburgo, Moldávia, Holanda, Portugal, Espanha, Suíça, Turquia. Note-se que a Convenção acima mencionada não pode ser aplicada atualmente à Bélgica que, embora seja um país signatário, ainda não a ratificou. Os certificados emitidos sob esta Convenção estão isentos de legalização ou qualquer formalidade equivalente no território de cada Estado Parte. Para outros estados, fala-se em liberação.

Da mesma forma, o nubendi, nos casos previstos no artigo 52 do Decreto Presidencial 396/2000, pode apresentar uma cópia da medida de autorização de casamento concedida pelo tribunal na presença de um impedimento no momento do pedido de publicação, ou enviá-lo posteriormente por correio comum.

C) Se você é italiano e deseja se casar no exterior

Os cidadãos italianos que se casam no exterior não estão sujeitos a publicações de casamento, a menos que sejam exigidos por legislação estrangeira. Em alguns casos, a autoridade estrangeira exige uma "certidão de casamento" nos termos da Convenção de Munique de 5 de setembro de 1980. Este certificado está isento de legalização e tradução.

Os Estados que assinaram e ratificaram a Convenção de Munique acima mencionada e que exigem o "Certificado de capacidade matrimonial" são os seguintes: Áustria, Itália, Alemanha, Grécia, Luxemburgo, Moldávia, Holanda, Portugal, Espanha, Suíça, Turquia. Note-se que a Convenção acima mencionada não pode ser aplicada atualmente à Bélgica que, embora seja um país signatário, ainda não a ratificou. Se você pretende celebrar o casamento com as autoridades competentes de um dos Estados que assinaram e ratificaram a Convenção, deve ter o "Certificado de capacidade matrimonial" emitido por seu município de residência na Itália ou, se residir no exterior, por nossa Representação Diplomática -consular competente para residência.

Em alguns países, que não são parte da Convenção de Munique, as autoridades locais com as quais o casamento deve ser celebrado podem solicitar um certificado de ausência de impedimentos ao contrato de casamento.

Se você é residente no exterior, deve enviar o acima mencionado "Certificado de capacidade matrimonial" à representação consular-diplomática italiana em cujo distrito territorial você reside, preenchendo uma declaração substituta na qual todos os elementos necessários para encontrar informações ou dados necessários.

Qualquer atestado da ausência de impedimentos para contrair casamento deve sempre ser solicitado a partir de nossa representação consular-diplomática em cujo distrito territorial você pretende contrair casamento, mesmo que seja residente na Itália.

A Representação poderá emitir o documento solicitado apenas com base no resultado positivo das investigações, tendo adquirido os documentos exigidos por lei e aqueles considerados necessários para comprovar a ausência de impedimentos.

A transcrição da certidão de casamento

Lembre-se de que o casamento celebrado no exterior para ter valor na Itália deve ser transcrito no município italiano competente.

A certidão de casamento original emitida pelo Registro de Estrangeiros, devidamente legalizada e traduzida (consulte a seção Tradução e legalização de documentos), deve ser enviada pelas partes interessadas à Representação Consular, que cuidará de sua transmissão na Itália. para transcrição nos registros de status civil do município competente.

Como alternativa, você pode enviar a escritura, devidamente legalizada e traduzida, diretamente ao Município Italiano de pertença (ver art. 12, parágrafo 11, Decreto Presidencial 396/2000).

Os documentos emitidos pelos países que aderiram à Convenção de Viena de 8 de setembro de 1976, que prevê a emissão de um formulário multilíngue, estão isentos de legalização e tradução. Esses países são: Áustria, Bélgica, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Croácia, Estônia, França, Alemanha, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia, Moldávia, Montenegro, Holanda, Polônia, Portugal, Romênia, Sérvia, Eslovênia, Espanha, Suíça e Turquia. Note-se que a referida Convenção de Viena não pode atualmente ser aplicada à Grécia que, embora seja um país signatário, ainda não a ratificou.

As leis de manutenção e manutenção da família divergem por país.

Geralmente, a jurisdição do país em que a pessoa que solicita o subsídio de manutenção mora.

Reconhecimento de sentenças estrangeiras (divórcio, adoção, mudança de nome ou sobrenome ou outro)

2017/07/12


A lei do direito internacional privado n. 218/1995 fornece, como regra geral, a eficácia automática na Itália de sentenças estrangeiras que respeitam alguns requisitos básicos de compatibilidade com o sistema jurídico italiano. A exceção é o reconhecimento na Itália de sentenças estrangeiras para adoção de menores, para as quais convidamos você a consultar a seção específica.

As encomendas estrangeiras devem ser transcritas no município italiano competente.

Julgamentos estrangeiros, com legalização e tradução para o italiano, podem ser submetidos para transcrição na Itália:


ao município italiano, diretamente pelo interessado;

ou ao consulado italiano em cujo distrito a sentença foi proferida.


Para solicitar a transcrição, é necessário mostrar um documento de identidade válido e produzir:


pedido de transmissão da sentença sob a forma de declaração substituta de escritura pública realizada nos termos do art. 47 do Decreto Presidencial 445/2000, que certifica a existência dos requisitos referidos no art. 64 da lei 218/1995, na qual se declara que a sentença não é contrária a outras sentenças proferidas por um juiz italiano e que não suspende uma sentença perante um juiz italiano pelo mesmo objeto e entre as mesmas partes;

cópia completa da sentença, completa com os requisitos do art. 64, devidamente legalizado e traduzido.


Para a transcrição de sentenças de divórcio emitidas num país da UE, é feita referência às disposições do Regulamento (CE) n.º 2201/2003 de 27.11.2003. A autoridade competente do Estado-Membro em que o divórcio foi pronunciado emite, a pedido da parte interessada, um certificado utilizando o modelo-padrão fornecido pelo regulamento acima mencionado, que não exige tradução e não deve ser legalizado. O interessado deve apresentar um documento de identidade válido e anexar ao certificado acima uma declaração substituta da escritura de notoriedade feita nos termos do art. 47 DPR 445/2000, atestando a existência dos requisitos referidos no art. 22 do referido regulamento.

Em qualquer caso, é aconselhável, em qualquer caso, fazer contato prévio com a representação diplomática ou consular que é territorialmente competente para esclarecimentos adicionais ou descobrir mais sobre os requisitos de quaisquer acordos bilaterais ou multilaterais.

📩  info.movimentolavoratori@gmail.com

 

🏢 Via Giorgio Scalia 15,  int.1(Rm)

0696036311 📲+39 3501694986

fac
Consultoria de assistência e defesa